João Arantes estreia solo investindo no eletrônico

João Arantes não é um novato na música, apesar de que você que lê esse texto possa não conhecê-lo. João fez parte da Pink Big Balls, com alguns discos lançados com pegada pop dançante, e Facção Amada, que lançou um EP em 2018 e se dissolveu. Ambas dandas do interior de São Paulo.

Compor, o EP que marca a estreia solo de João, surgiu da necessidade de fazer tudo sozinho aliado ao desejo de voltar a pôr eletricidade nas composições. Mas diferente da primeira banda, João investiu no eletrônico e na produção caseira.

Como boa parte dos discos lançados de 2020 aos dias atuais, Compor tem um pouco do isolamento. João testou positivo, se isolou em produção e usou a Lei Aldir Blanc – que socorreu a classe artística que ficou sem fazer shows – para lançar o trabalho.

As músicas não são todas atuais, existem composições feitas anos atrás e outras que foram criadas basicamente no processo de gravação. “Eu Sempre Vou Te Amar”, feita para a noiva, é uma delas. Compor não tem uma linha guia em suas composições. João aborda temas que vão do amor aos dias de angústia atuais, passando pelo convívio entre as pessoas, os conflitos que geram desgastes e a necessidade de se confiar.

Como a intenção era pôr o desejo de criar sozinho à prova, João foi de programas e plugins gratuitos até synth, guitarra e baixo e até um cabo de áudio de Xbox. O trabalho mostra a versatilidade de João, muita ligada ao violão, a frente de beats e das letras que se mostram a frente de tudo. No fim a dúvida de que se conseguiria produzir um disco todo sozinho levou a um disco bonito e denso.

O EP Compor está disponível no Spotify e também em versão audiovisual no YouTube, que você confere abaixo: